Home / Uncategorized / Por decisão do STF, ação sobre morte de filho de Flávio Dino (PCdoB) será reaberta
Por decisão do STF, ação sobre morte de filho de Flávio Dino (PCdoB) será reaberta

Por decisão do STF, ação sobre morte de filho de Flávio Dino (PCdoB) será reaberta

dino2

O STF (Supremo Tribunal Federal) acolheu recurso do ex-deputado federal e atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), para que a Justiça do Distrito Federal julgue ação penal privada ingressa por ele e a sua esposa contra uma médica e uma auxiliar de enfermagem responsáveis pelo atendimento do seu filho caçula, Marcelo Dino, 13, que morreu no Hospital Santa Lúcia, em Brasília, em fevereiro de 2012.

A decisão do STF ocorreu por quatro votos a dois, em 16 de abril, mas a informação foi divulgada apenas na tarde desta terça-feira (2) pelo governador, por meio de sua conta no Twitter. “Vencemos recurso no Supremo sobre morte do amado Marcelo @peixinho98, por negligência do hospital Santa Lucia. Verdade venceu e vencerá”, postou.
A ação penal privada foi apresentada por Dino porque o MP (Ministério Público) do Distrito Federal perdeu o prazo para oferecer denúncia contra as duas integrantes da equipe de atendimento do hospital. O governador acusa o hospital de negligência no atendimento a uma crise de asma.

Antes de vencer no STF, a ação privada foi negada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e pelo Superior Tribunal de Justiça, que alegaram que o MP era o exclusivo titular da ação penal.

O relator do caso foi o ministro Gilmar Mendes, que em seu relatório alega que “o ajuizamento da ação penal privada pode ocorrer após o decurso do prazo legal, sem que seja oferecida denúncia, ou promovido o arquivamento, ou requisitadas diligências externas ao Ministério Público”, diz, complementando:

“A conduta do Ministério Público posterior ao surgimento do direito de queixa não prejudica sua propositura. Assim, o oferecimento de denúncia, a promoção do arquivamento ou a requisição de diligências externas ao Ministério Público, posterior ao decurso do prazo legal para a propositura da ação penal, não afastam o direito de queixa”, afirma.
O governador Flávio Dino informou, por meio de sua assessoria, que o post dele no Twitter seria seu único comentário sobre a decisão.

Procurado nesta terça-feira, o advogado da médica e da auxiliar de enfermagem, Frederico Donati Barbosa, não estava em seu escritório, em Brasília. A atendente do local informou que o advogado seria informado sobre a reportagem e provavelmente retornaria a ligação em outro momento.

O caso

No dia 13 de fevereiro de 2012, Marcelo Dino sofreu uma crise asmática no colégio em que estudava e foi levado à urgência do Hospital Santa Lúcia, em Brasília. Segundo relato familiar, ele deu entrada consciente e lá, passou a noite na UTI.
Segundo denunciou a família, houve aplicação tardia de um medicamento prescrito. Além disso, diz que a aplicação de outro medicamento foi feita sem ter sido diluída no diluente específico, e sendo ministrada em tempo exíguo –um minuto, em vez de cinco minutos.

Logo após ministrar o medicamento, Marcelo teve nova crise, que culminaria em sua morte. Dino acusa a médica responsável de não estar na UTI no momento da crise.

O inquérito policial resultou no indiciamento pelo cometimento de homicídio culposo pela médica da auxiliar de enfermagem.
O MP perdeu o prazo ao se manifestar externamente apenas em 13 de julho de 2012 –antes, por um erro, distribuiu o caso para a Vara do Tribunal do Júri, que julga apenas casos de homicídios dolosos.

Fonte: UOL.com.br

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas