Home / Brasil / Fecomércio-SP quer reduzir reajuste do Salário Mínimo
Fecomércio-SP quer reduzir reajuste do Salário Mínimo

Fecomércio-SP quer reduzir reajuste do Salário Mínimo

minimo

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP) propõe a revisão da fórmula de cálculo do salário mínimo de forma a retratar a realidade brasileira, ainda mais em um ambiente de incertezas econômicas, em que o ajuste fiscal se faz necessário.

A proposta, além de gerar um impacto significativo às contas do governo, moderniza o sistema previdenciário brasileiro, e foi exposta ao deputado federal Laércio Oliveira (SD-PE), que concordou com a tese da Entidade e apresentou a emenda 67 à Medida Provisória (MedProv) 672/15, que dispõe sobre a política de valorização do salário mínimo para o período de 2016 a 2019.

Em nota, a Fecomércio-SP sugere que, para o novo cálculo, seja levado em conta o PIB per capita do ano retrasado, ao invés de considerar o PIB real de 2013. Com isso, o valor referente a 2014, por exemplo, seria de aproximadamente R$ 702, uma diferença de -3% em relação ao que foi definido para o respectivo ano (R$ 724). Em 2014, segundo dados oficiais divulgados pela Previdência Social, o país gastou com as suas aposentadorias, algo em torno de R$ 396,3 bilhões. Caso, o método de cálculo do salário mínimo levasse em conta o PIB per capita, sugerido pela Fecomércio-SP, o gasto seria de, aproximadamente, R$ 384,6 bilhões, o que representa economia de R$ 12 bilhões nas contas da previdência.?

Assim – diz a entidade – considerando o impacto que o valor do salário mínimo tem nas despesas com o pagamento de benefícios da previdência social, uma vez que o valor pago não pode ser inferior ao salário mínimo, o aumento real ocorrido nos últimos anos contribui para o crescimento do déficit previdenciário. Para a Fecomércio-SP, de nada adianta reajustar o salário mínimo pelo PIB real do ano retrasado e a inflação do ano anterior, se a produtividade média brasileira vem crescendo menos com um aumento da população. Com a expectativa de envelhecimento do brasileiro, a atual metodologia de cálculo poderá tornar inviável o pagamento das aposentadorias em longo prazo.?

A Federação afirma não defender uma redução do valor do salário mínimo, mas que eventuais aumentos com base no PIB per capita sejam concedidos apenas quando houver aumento de produtividade. Trata-se de uma medida que não visa à redução dos benefícios, mas obriga o setor produtivo a aumentar a sua produtividade, estimulando o crescimento econômico e o bem-estar social da população, podendo ser considerada como uma medida de ajuste da economia.

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*