Home / Giro de notícias / Grupo anti-Rússia trabalha no Pentágono
Grupo anti-Rússia trabalha no Pentágono

Grupo anti-Rússia trabalha no Pentágono

Enquanto os Estados Unidos deslocam mais armamentos pesados para o leste europeu, um grupo que advogam em nome de uma política mais agressiva na região foi contratado pelo Pentágono para desenvolver alianças militares.

No dia 5 de junho, o Escritório de Avaliação das forças armadas deu ao Centro de Análise Política Europeia (CEPA, na sigla em inglês) a missão de conduzir um estudo chamado Formando Aliados: Alianças e Mudanças Geoestratégicas. A informação é de arquivos do Pentágono obtidos pelo USA Today.

O anúncio do contrato afirmava que a CEPA iria conduzir “um estudo sobre a mudança de dinâmicas nas redes de aliança dos Estados Unidos no leste asiático, no oriente médio e no leste europeu.”

Estudos anteriores da CEPA pediram o fim da política de “paciência estratégica” para deslocar defesas até pontos mais próximos às fronteiras com a Rússia em nome de países como Polônia, Lituânia, Estônia e Letônia — todos membros da OTAN.

O presidente da CEPA, A. Wess Mitchell, escreveu esta ano, em um artigo sobre a Rússia:

“Enquanto o Ocidente pós-Guerra Fria pode ter esperado que a Rússia eventualmente se tornasse uma versão maior da Polônia, com instituições liberais e uma política externa desmilitarizada, o que aconteceu foi uma versão moderna de Cartago — uma força punitiva determinada a aplicar uma política externa vingativa para derrubar o sistema que ela considera culpado pela perda de sua antiga grandeza.”

A ligação do Pentágono com analistas que promovem uma política militar mais agressiva por parte dos EUA acontece enquanto se discute o plano de manter armas na Europa Central para até 5 mil soldados.

Até o início de 2016, haverá equipamentos suficientes pré-posicionados — como armas, tanques, e veículos de infantaria — para uma brigada militar americana, afirmou o USA Today.

“É uma mudança bastante significativa de política. Dá um nível razoável de garantia a aliados reticentes, embora nada seja o mesmo que colocar soldados em solo em tempo integral”, afirmou James G. Stavridis, ex-comandante supremo da OTAN.

Nesta segunda-feira, o secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou que a política em desenvolvimento ainda está em seu estágio inicial. Segundo Earnest, os EUA e seus aliados da OTAN discutiram a necessidade de envio mais rápido de soldados durante uma cúpula no País de Gales no ano passado. (Sputiniknews)

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*