Home / Mundo / Sem apoio da Rússia, Síria hoje seria um lugar infernal
Sem apoio da Rússia, Síria hoje seria um lugar infernal

Sem apoio da Rússia, Síria hoje seria um lugar infernal

Ahmed Gaddaf al-Dam al-Qaddafi, ex-Coronel do exército líbio, um dos mais influentes chefes de segurança interna do antigo regime e primo do ex-presidente da Líbia, Muammar al-Qaddafi, concedeu entrevista exclusiva à agência Sputnik Arabic. Segundo ele, sem apoio da Rússia, “Síria teria se transformado no mesmo inferno que a Líbia”.

Ahmed Gaddaf al-Dam al-Qaddafi, primo do líder deposto da Líbia, Muamar al-Qaddafi, fez uma alta avaliação do papel da Rússia para a normalização das crises no Oriente Médio.“Saudamos o papel da Rússia e do presidente Vladimir Putin. Sem ele, Síria teria se transformado no mesmo inferno que a Líbia. Damos valor ao apoio da Rússia para a solução de assuntos dos países árabes, seja na Líbia, Síria ou Irque”, disse al-Dam em entrevista à Sputnik.

Ele também afirmou que os países ocidentais não estariam interessadas em uma situação estável na Líbia. “Ao meu ver, eles estavam interessados em liquidar Muamar al-Qaddafi e a “revolução al-Fateh”. Segundo o ex-Coronel, o Ocidente, no início, chorou “lágrimas de crocodilo” sobre a situação em seu país “mas hoje em dia nem essas lágrimas de crocodilo nos vemos mais”, concluiu.

O primo de al-Qaddafi acusou a OTAN de ter sido o motivo da expansão do Estado Islâmico na região, que ficou isolada após o bloqueio aéreo e acusou os esforços da ONU em formar um governo de unidade nacional de unilateralidade, pois não contempla a participação das forças políticas ligadas ao antigo regime.

Desde a queda e assassinato de Muamar al-Qaddafi, em 2011, Líbia vive uma profunda crise. Há, no país, várias milícias regionais e tribais que, em algumas regiões, contam com armamentos melhores do que a polícia local.Líbia vive numa dualidade de poder: por um lado, o Parlamento eleito nas eleições gerais, com sede em Tobruk, e o governo de transição dirigido por Abdullah al-Thani; por outro, o Congresso Geral da Nação de tendência islâmica, com sede em Trípoli, e o primeiro-ministro eleito por esse congresso, Omar al-Hasi.

Várias regiões da Líbia não estão sob controle dessas autoridades centrais, e entre os muitos grupos armados em atuação no país, alguns juraram fidelidade ao Estado Islâmico, que controla territórios consideráveis na Síria e no Iraque e realiza execuções públicas de reféns. (Sputiniknews)

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*