Home / Mundo / Estratégia militar dos EUA tem Rússia e Irã como alvo
Estratégia militar dos EUA tem Rússia e Irã como alvo

Estratégia militar dos EUA tem Rússia e Irã como alvo

Os EUA publicaram nesta quarta-feira a Estratégia Militar Nacional que diz que o exército americano deve fazer frente à Rússia, chamada de país revisionista que desafia as normas internacionais, e ao Irã, que patrocina terroristas e aumenta sua atividade nos países vizinhos.

A Sputnik destaca os momentos contraditórios do documento.

Irã

Os EUA continuam aumentando a tensão em torno das negociações sobre o programa nuclear iraniano.

“O programa nuclear iraniano provoca preocupação dos aliados americanos na região e fora dela. O Irã apoia grupos terroristas na região e está ativo na Síria, Iraque, Iêmen e Líbano”, diz-se na estratégia. Porém, não está muita clara a conexão entre o programa nuclear iraniano e apoio ao terrorismo por parte do Irã.

Além disso, as acusações contra o Irã pelo patrocínio de terrorismo são infundadas. A assinatura do acordo sobre o programa nuclear iraniano, pelo contrário, contribuirá para a estabilização da situação e diminuição das tensões no Oriente Médio, opina o ex-funcionário da embaixada do Irã no Líbano Seyed Hadi Afgahi:

“O ministro do Exterior do Irã Mohammad Javad Zarif manifestou que o acordo universal [programa nuclear iraniano] não prejudicará nenhum país que tem fronteira com o Irã e não causará danos a nenhum país da região. Ao contrário, ao alcançar o acordo sobre o seu programa nuclear, o Irã estende a mão aos seus vizinhos meridionais – aos países do Golfo, inclusive aos aliados dos EUA, isto é a Arábia Saudita”, disse.

Afgahi também sublinhou que, segundo o chanceler iraniano, é muito importante que os países da região se sentem à mesa de negociações e tentem resolver em conjunto e de maneira pacífica todos os atuais problemas regionais.

Rússia

De acordo com o documento, o exército dos Estados Unidos deve estar preparado para fazer frente a ‘estados revisionistas’ como a Rússia que desafiam as normas internacionais, diz-se no comunicado do Pentágono dedicado às questões estratégicas.

Segundo os militares americanos, a Rússia “mostrou em diversas ocasiões que não respeita a soberania de seus vizinhos. Suas ações militares minam a segurança regional tanto diretamente quanto através de forças subsidiárias”.

A retórica agressiva dos EUA já provocou críticas por parte das autoridades russas:

“Nesta situação só podemos lamentar, porque a estratégia de segurança é um documento projetado para uma perspectiva de médio e longo prazo e o aparecimento de tais formulações num documento destes mostra a disposição de confrontação, privada de qualquer objetividade em relação ao nosso país, especialmente na perspectiva de longo prazo”, declarou a jornalistas na quinta-feira (2) o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov.

As acusações estadunidenses contra a Rússia são pura astúcia, opina Ivan Konovalov, diretor do Centro da Conjuntura Estratégica, já que a crise ucraniana, pela qual os EUA acusam a Rússia, foi inspirada pelos próprios estadunidenses e a Rússia só está se defendendo.Além disso, ele opina que comparar a Rússia e o Estado Islâmico como ameaças semelhantes também é um exemplo de astúcia dos americanos:

“É simplesmente mais cômodo declarar a ameaça russa e apelar aos aliados e à sociedade americana para trabalharem nesta direção… Porque realmente pôr-se a trabalhar e prestar atenção ao inimigo verdadeiro, isto é ao Estado Islâmico, exigirá muito mais esforços além de retórica. Aqui [no caso da Rússia] é possível usar a retórica e mais nada, mas ali será preciso combater realmente”.

Além disso, o especialista não acha que a Rússia faça algo que possa ser interpretado como violação de normas internacionais e abalar a segurança no mundo, ao contrário dos EUA que “agem como se todo o globo terrestre fosse território dos seus interesses”.

“A pátria para eles [os americanos] é o mundo todo e, por isso, as tropas americanos estão presentes por toda a parte. A Rússia não faz isso”, opina Konovalov.

“O presidente Obama manifesta abertamente que o objetivo dos Estados Unidos é permanecer uma força hegemónica no mundo. Será que a Rússia pode ser acusada disso?”, questiona o cientista político. (Sputiniknews)

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*