Home / Uncategorized / Paul Krugman: “não” da Grécia acertou em cheio
Paul Krugman: “não” da Grécia acertou em cheio
Nobel Prize winning economist Paul Krugman speaks during an interview in New York, May 4, 2012. REUTERS/Brendan McDermid (UNITED STATES - Tags: BUSINESS) - RTR31M2K

Paul Krugman: “não” da Grécia acertou em cheio

Paul Krugman

É evidente, há muito tempo, que a criação do euro foi um erro terrível. A Europa nunca teve as condições prévias para uma bem-sucedida moeda única, sobretudo, o tipo de união fiscal e bancária que, por exemplo, assegura que quando a bolha imobiliária estoura na Flórida, Washington automaticamente protege a terceira idade de qualquer ameaça sobre seu atendimento de saúde e seus depósitos bancários.

Abandonar uma união monetária é, entretanto, uma decisão muito mais difícil e mais aterradora do que nunca; até agora as economias com mais problemas do Continente deram um passo atrás quando se encontravam à beira do abismo. Várias vezes, os Governos submeteram-se às exigências de dura austeridade dos credores, enquanto o Banco Central Europeu conseguiu conter o pânico nos mercados.

Mas a situação na Grécia chegou ao que parece ser um ponto sem volta. Os bancos estão temporariamente fechados e o Governo impôs controles de capital (limites ao movimento de fundos ao estrangeiro). Parece bem provável que o Executivo logo terá que começar a pagar as aposentadorias e o salários em papel, o que, na prática, criaria uma moeda paralela. E na primeira semana de julho o país irá realizar uma consulta sobre a conveniência de aceitar as exigências da troika – as instituições que representam os interesses dos credores – de redobrar, ainda mais, a austeridade.

A Grécia deve votar “não”, e seu Governo deve estar pronto para, se for necessário, abandonar o euro.

Para entender por que digo isso, devemos primeiro estar conscientes de que a maior parte das coisas – não todas, mas a maioria – que temos ouvido sobre o desperdício e a irresponsabilidade grega são falsas. Sim, o governo grego estava gastando além de suas possibilidades no final da primeira década dos anos 2000. Mas, desde então, cortou repetidamente o gasto público e aumentou a arrecadação fiscal. O emprego público caiu mais de 25 por cento, e as aposentadorias (que eram, certamente, muito generosas) foram drasticamente reduzidas. Todas as medidas foram, em suma, mais do que suficientes para eliminar o déficit original e transformá-lo em um amplo superávit.

Por que isso aconteceu? Porque a economia grega desabou, em grande parte, como consequência direta dessas importantes medidas de austeridade, que afundaram a arrecadação.

E esse colapso, por sua vez, teve muito a ver com o euro, que prendeu a economia grega em uma camisa de força. Geralmente, os casos de sucesso das políticas de austeridade – aqueles nos quais os países conseguiram frear seu déficit fiscal sem cair na depressão – vêm junto com importantes desvalorizações monetárias que fazem com que suas exportações sejam mais competitivas. Foi isso o que aconteceu, por exemplo, no Canadá na década de noventa, e na Islândia mais recentemente. Mas a Grécia, sem moeda própria, não tem essa opção.

Com isso quero dizer que seria conveniente o Grexit – a saída da Grécia do euro –? Não necessariamente. O problema do Grexit sempre foi o risco de caos financeiro, de um sistema bancário bloqueado pelas retiradas presa do pânico e de um setor privado obstaculizado tanto pelos problemas bancários como pela incerteza sobre o status legal das dívidas. É por isso que os sucessivos governos gregos aderiram às exigências de austeridade, e pelo que o Syriza, a coalizão de esquerda no poder, estava disposto a aceitar uma austeridade que já havia sido imposta. A única coisa que pedia era evitar uma dose maior de austeridade.

Mas a troika rejeitou essa opção. É fácil se perder nos detalhes, mas agora o ponto fundamental é que os credores ofereceram à Grécia um “pegar ou largar”, uma oferta indistinguível das políticas dos últimos cinco anos.

É hora de acabar com esse inimaginável. Do contrário a Grécia enfrentará a austeridade infinitamente
Essa oferta estava e está destinada a ser rejeitada pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras: não pode aceitá-la porque seria a destruição de sua razão política de ser. Portanto, seu objetivo deve ser levá-lo a abandonar seu cargo, algo que provavelmente acontecerá se os gregos escolherem não confrontar a troika e votarem sim na primeira semana de julho.

Mas não devem fazê-lo por três razões. Em primeiro lugar, agora sabemos que a austeridade cada vez mais dura é um beco sem saída: após cinco anos, a Grécia está ainda em pior situação. Em segundo ligar, praticamente todo o caos temido sobre o Grexit já aconteceu. Com os bancos fechados e os controles de capital impostos, não há muito mais danos a serem feitos.

Por último, a adesão ao ultimato da troika acarretaria o abandono definitivo de qualquer pretensão de independência da Grécia. Não nos deixemos enganar por aqueles que afirmam que os funcionários da troika são técnicos que explicam aos gregos ignorantes o que devem fazer. Esses supostos tecnocratas são, na realidade, enganadores que não levaram em consideração todos os princípios da macroeconomia, e que se equivocaram em cada passo dado. Não é uma questão de análise; é uma questão de poder: o poder dos credores para desligar a economia grega, que continuará assim enquanto a saída do euro for considerada impensável.

De modo que é tempo de acabar com esse inimaginável. Do contrário a Grécia enfrentará a austeridade infinitamente e uma depressão da qual não há indícios de seu final.

Paul Krugman recebeu o prêmio Nobel de Economia em 2008.

Artigo publicado nesta domingo no The New York Times

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*