Home / Brasil / Brasil já tem 3 mil salas de cinema
Brasil já tem 3 mil salas de cinema

Brasil já tem 3 mil salas de cinema

cinema_assentos_sala

Após sete anos seguidos de crescimento de bilheterias e investimentos, o mercado cinematográfico brasileiro vai atingir a marca de 3 mil salas de exibição ainda no mês de outubro, afirmou o diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Manoel Rangel, em entrevista para a Agência Brasil. Na era de ouro do cinema brasileiro, na década de 1970, o país já chegou a ter 3,5 mil salas.

“É uma franca recuperação”, disse Rangel, que apontou diferenças entre o parque exibidor atual e o da época. “As salas de cinema daquele período eram pouco confortáveis, com cadeiras duras e uma série de fatores muito distantes do que é o parque exibidor atual. Hoje, temos 3 mil salas de cinema, e a maior parte é um parque exibidor moderno, do último tipo”, comparou.

O crescimento do número de salas de cinema ganhou maior velocidade neste ano. Segundo a Ancine, entre 2003 e 2010, o Brasil ganhava, em média, 71 salas de cinema por ano. A média subiu para 153 entre 2011 e 2014, e, em 2015, já são 183 salas construídas até setembro – a maioria no Sudeste.

Vale a pena desconstruir o discurso ufanista oficial para se chegar à verdade. Apesar de alardeada, a quantidade de 3 mil salas ainda é um número irrisório, facilmente monopolizado por poucos filmes no Brasil. Diversos lançamentos de 2015 foram distribuídos em mais de mil salas (um terço do atual circuito) e, seguindo a tradição registrada nos últimos anos, o vindouro “Jogos Vorazes: A Esperança – O Final” deve ocupar metade de todo o parque cinematográfico nacional num único fim de semana, em novembro, exibindo uma maioria de cópias dubladas, como na televisão.

O aumento de salas não acompanha uma política de investimento em cineclubes, cinemas de rua ou expansão do chamado circuito limitado. Pior: os poucos programas que existiam de apoio ao cineclubismo foram descontinuados.

Gleciara Ramos, secretária-geral do Conselho Nacional de Cineclubes, denunciou em entrevista recente ao portal G1: “Apesar de haver um gargalo na exibição no país e de a gente saber da importância do cinema e da educação, não há atitudes por parte do governo de dar legitimidade ao cineclubismo, que é tratado de maneira muito periférica”.

A política cultural do atual governo celebra o capitalismo em sua forma mais primitiva, de consumismo sem critério – a mesma matriz do programa econômico que jogou o país na crise. Na prática, o que a Ancine escolhe destacar é a construção de novos shopping centers. Com inauguração de 26 novos empreendimentos do gênero no Brasil em 2015, além de previsão para o início de mais 34 obras, o que não faltam são multiplexes com salas “do último tipo”, como Rangel parece gostar. (Pipoca Moderna)

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*