Home / América Latina / As dificuldades do cinema brasileiro no mercado internacional
As dificuldades do cinema brasileiro no mercado internacional

As dificuldades do cinema brasileiro no mercado internacional

Representantes de canais comentaram o desempenho e as principais dificuldades que produções brasileiras enfrentam no mercado internacional durante painel voltado ao mercado audiovisual da RioMarket, na área de negócios do Festival do Rio. Para a diretora de vendas para América Latina da NBC Universal, Denise Assumpção, um dos maiores obstáculos para distribuição do conteúdo é o regionalismo. “Coisas muito cariocas ou muito sertanejas geralmente não são bem aceitas”.

A executiva também comentou sobre a falta de elenco conhecido e ambientação muito local. “Tudo que é muito estereotipado, com personagens e cenários muito característicos, usualmente não provocam a identificação de outras culturas. Além disso, falta qualidade técnica para competir com o mercado americano”.

wmtelite2

Wagner Moura como capitão Nascimento, em ‘Tropa de Elite’ (Imagem: Divulgação)

A experiência foi vivenciada com ‘Tropa de Elite’, recorde de desempenho nacional, que enfrentou dificuldades em outros países da América Latina. “Apesar ter grande valor aqui, o filme não foi bem vendido para os países vizinhos”. O mesmo aconteceu com a comédia ‘Superpai’, que estreou em fevereiro passado com Danton Mello, Antonio Tabet e Dani Calabresa nos papéis principais. “Nesse caso, o público quase chegou a 500 mil, mas o filme não foi bem aceito fora do país. As piadas estão muito enraizadas em nossa cultura. É um conteúdo que não viaja”.

Outro exemplo de frustração foi a coprodução anglo-brasileira de milhões de dólares ‘Trash’, que contou com Wagner Moura, Selton Nello, Rooney Mara e Martin Sheen no elenco. “O filme ganhou o principal prêmio no Festival de Roma, mas a bilheteria foi muito fraca, cerca de 240 mil pessoas”, relata Denise.

Para driblar a resistência do mercado, é necessário focar em roteiros mais abrangentes, enfatiza a executiva. “Atualmente, as melhores oportunidades estão em gêneros como drama, comédia romântica, séries de TV e animações. Obras que não necessitam de tantos efeitos especiais também caem bem”, recomenda.

A orientação é endossada pelo gerente de produção da E! Networks, Glauco Sabino, que aconselha produtores independentes a priorizar conteúdos que possam ser facilmente inseridos na América Latina. No sentido contrário, o canal E! Entertainment Television, que tem grande apelo entre o público jovem, está investindo em conteúdo nacional. “Neste ano, seguindo uma tradição do canal, o público brasileiro passou a contar com a cobertura do tapete vermelho de grandes eventos nacionais, como o Baile da Vogue e o Festival de Gramado, comandada por Sérgio Marone”.

Na grade de programação, o canal também abre espaço para produções originais brasileiras, como ‘Um show de Noiva’, programa que apresenta os vestidos de noiva da fase de confecção até a prova final, ‘Quinze’, que mostra as festas de debutantes de meninas no Rio de Janeiro, e o ‘E! News Update’, pílulas de dois minutos em que Giselle Hermeto apresenta notícias dos maiores eventos do mundo dos famosos.

Neste mês, o canal ainda estreia a versão nacional do ‘The Fabulist’, uma das atrações mais bem sucedidas no exterior, com foco em moda e lifestyle. Quem comandará o programa é a modelo Gianne Albertoni, acompanhada pela blogueira Laila Coelho. “Geramos diálogos, somos formadores de opinião, criamos tendências, engajamos e nossos fãs no adoram”, afirma Sabino.

Na TVN, emissora chilena, a presença de conteúdo brasileiro continua sendo ampliada, conforma explica o editor geral Cristián Villarroel Encina. “Estamos expandindo o portfólio de parceiros e garantindo presença nas principais plataformas, inclusive dispositivos móveis”.

O canal adquiriu direitos de exibição da minissérie ‘José do Egito’, produzida pela Record no ano passado, e da novela ‘Carrossel’, remake do SBT que foi fenômeno de audiência em 2012. Os telespectadores da TVN já estão acostumados com a importação de conteúdos do Brasil, tendo histórico de reprises de novelas como ‘Laços de Família’ e ‘A Favorita’, ambas da Rede Globo.

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*