Home / Economia / Tratado Transpacífico pressiona acordo entre Mercosul e União Européia (UE)
Tratado Transpacífico pressiona acordo entre Mercosul e União Européia (UE)

Tratado Transpacífico pressiona acordo entre Mercosul e União Européia (UE)

O Tratado Transpacífico (TTP) põe “boa pressão” para que haja acordo comercial mais rápido entre o Mercosul e União Européia (UE), disse o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro. “Acho que eles (europeus) precisam também fortalecer esse eixo à medida que os Estados Unidos se fortalecem em uma área da América do Sul. Os europeus precisam responder a isso”, disse.

A União Européia, porém, já vem debatendo – longe da sociedade – com os Estados Unidos acordo semelhante ao Pacífico, o TTIP. Ambos os tratados impõem severas restrições à atuação dos Estados nacionais, principalmente em questões relativas a propriedade intelectual e ao setor financeiro.

Um acordo entre Mercosul e UE poderia ser um contraponto aos interesses norte-americanos se buscasse uma maior integração comercial aliada a estímulos para desenvolvimento dos setores industriais e de serviços nos países americanos. Porém, esta não é a agenda dominante na Europa.

Armando Monteiro informou que a troca de propostas entre o Mercosul e a União Europeia deverá acontecer até o início de novembro. Na quinta-feira e sexta-feira passadas, as delegações do Mercosul e da UE encontraram-se no Paraguai para acertar os últimos detalhes.

Mesmo com a demora no acordo entre o Mercosul e a União Européia, a Parceria Transpacífico pode ser boa para o Brasil na avaliação do professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB) Argemiro Procópio Filho. Segundo ele, o país poderá se beneficiar porque tem projetos com os países da América do Sul, que passam a integrar o novo bloco. “Não é ruim para o Brasil, que é um país do Oceano Atlântico. Acho que é interessante porque estamos com alguns projetos”.

Citou, como exemplos, a construção de uma rodovia no Peru. E, com o Chile, a utilização de portos do Oceano Pacífico para transportar produtos agrícolas, como a soja, e minérios para a China. (Monitor Mercantil)

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*