Home / Brasil / Ação dos promotores de São Paulo contra Lula é um monumento à trapaça
Ação dos promotores de São Paulo contra Lula é um monumento à trapaça

Ação dos promotores de São Paulo contra Lula é um monumento à trapaça

Por Osvaldo Bertolino

Uma das vantagens mais interessantes da hipocrisia, talvez o vício preferido dos que se acham acima da lei, é seu baixo custo. A rigor, fazendo a conta na ponta do lápis, a hipocrisia não custa nada, quando se considera que o hipócrita ataca a honra de outros para benefício próprio. É o que fizeram os promotores Cassio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo, com suas militâncias política e banditismo, se utilizando de um cargo público, como disse o Instituto Lula sobre o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A função de promotor público não pode servir para esse tipo de conduta condenável. Conserino — o chefe da trupe — e seus iguais, como o juiz Sérgio Moro, parecem dispostos a superar tudo o que já foi feito neste país em matéria de embuste; só deverá ser superada, talvez, pela próxima investida de algum deles contra Lula ou alguém do seu círculo político. Não há inocentes nesse ataque de terceira classe, mesquinho, desonesto e sem o menor vestígio de vida inteligente; desde o primeiro dia dessa campanha contra o ex-presidente ainda não apareceu nada que pudesse ser descrito pela palavra “sinceridade”.

O exercício do cargo público impõe obrigações formais perante todos os brasileiros, sem exceções. A primeira delas é o respeito. Os promotores, pela posição que ocupam e pelo juramento que fizeram ao assumir o cargo, não têm o direito de tratar os brasileiros como uma manada de ignorantes que não dispõem da capacidade de pensar com um mínimo de independência — e por isso não precisam ouvir argumentos, explicações e raciocínios que façam nexo ou respeitem fatos. O vale-tudo não teve limites nessa ofensiva inescrupulosa. Se Lula não for preso, garantem Conserino e seus iguais, o Brasil vai acabar.

Por ser nordestino, operário e de origem paupérrima, ou por lembrar que passou fome na infância, Lula não tem condições de ser candidato a presidente em 2018, depreende-se de fatos como esse, pois não há um dado concreto para o embasamento da conduta torpe dos promotores. Só alguém da direita tem o direito de se apresentar como honesto e receber diploma de herói, conclui-se da peça vil e imoral que eles produziram.

Monumento à trapaça

O resultado prático de toda essa insensatez é que o pedido de prisão, que deveria ter argumentos sóbrios e fiéis à verdade dos fatos, acabou sendo a mais hipócrita de todas as que até agora têm sido assacadas contra Lula. Um cavalheiro, segundo o ensinamento de Oscar Wilde, nunca deve trapacear quando está com boas cartas na mão. Mas a atitude dos promotores tornou-se um monumento à trapaça. Eles deveriam ser, minimamente sóbrios, em vez de se apresentarem nas telas da televisão como néscios.

A única coisa realmente em jogo é um interesse inconfesso e ignominioso: a conquista da Presidência da República por meios golpistas. Ou por outra: um atalho para o retorno das oportunidades de negociatas, como era comum nos tempos em que a direita governou o país. Não existe a mais remota sinceridade nos alertas desses promotores. Não existe motivo para acreditar em suas promessas de “limpeza”. Não há a menor sinceridade quando eles dizem que o Brasil é vítima de “ataques” de tubarões imaginários — e não dos tubarões de carne e osso, mantidos gordos como predadores do povo brasileiro.

A complicação que o Brasil vive hoje vai além da falta de decência, de lucidez e de bons modos desses promotores. Campanhas persecutórias como essa são transitórias, mas os seres humanos que participam delas são permanentes. Eles continuarão sendo exatamente os mesmos. Independente de se consumar a intenção desses promotores, eles não vão fazer um ato de contrição e se arrependerem da sua hipocrisia, da sua atitude deformada pela falsificação da realidade; não se transformarão em pessoas que nunca foram. Falta, para isso, um insumo básico: caráter. Só a luta e o engajamento da sociedade pode conter arbitrariedades como essa e, consequentemente, todo seu arcabouço político arbitrário.

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*