Home / América Latina / Cuba: As consequências nefastas do ódio
Cuba: As consequências nefastas do ódio

Cuba: As consequências nefastas do ódio

No mesmo lugar onde outrora se encontrava a maior loja de departamentos de Cuba e no parque construído em nome de Fe del Valle foram lembrados os fatos acontecidos em 13 de abril de 1961

A injustiça tirou a Robin Ravelo del Valle, com apenas 14 anos e a seu irmão mais velho o calor de uma mãe. Morreram, com a sabotagem à loja El Encanto —perpetrado pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos— os sonhos de mais uma família, que sofria os efeitos do assanhamento contra Cuba.

“Deu a vida por seus ideais, pela Revolução. Educou-nos a mim, meu irmão e a família toda no exemplo, que temos tentado manter durante toda nossa vida. Oxalá que um pouco dessa trajetória a tenhamos podido conseguir nestes anos”, disse à imprensa Robin, marcado pela dor de uma ausência que dura 55 anos, referindo-se a sua mãe Fe del Valle Ramos, vítima do atentado.

No mesmo lugar onde outrora se encontrava a maior loja de departamentos de Cuba e no parque construído em nome de Fe del Valle foram lembrados os fatos acontecidos em 13 de abril de 1961.

Lula, “como a chamavam seus amigos”, foi lembrada como fundadora e secretária-geral da delegação da Federação das Mulheres Cubanas (FMC), promotora da criação das creches, mãe e esposa, miliciana e trabalhadora. “Sua vida é a lenda mesma da pátria… A longa lista de sabotagens e crimes cometidos pelo imperialismo têm marcado o destino de nosso povo… esquecer é um luxo que não nos podemos permitir”, expressou a jovem Karina Rodríguez Martínez, em nome da FMC.

Entretanto, Pedro Simón Rodríguez, secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Comércio, a Gastronomia e os Serviços, falou acerca dos começos da garota de Remedios, Villa Clara, lutadora contra a tirania de Fulgencio Batista, quem com só 17 anos começou a trabalhar como aprendiz de confecção de chapéus e mais tarde trabalhou na loja Fin de Siglo e em El Encanto, lugar onde ocupou a vaga de chefa de departamento e onde morreu, tentando resgatar do incêndio os bens do povo.

Quando faltam poucos dias para começar o 7º Congresso do Partido, instou os trabalhadores do sector a eliminar as insuficiências e prestar um serviço de qualidade ao povo. Perante a proximidade também do desfile pelo Primeiro de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores, sustentou que esse será “o melhor presente da classe operária e do povo ao companheiro Fidel em seu 90º aniversário”.

Ao ato de recordação assistiram Olga Lidia Tapia, membro do secretariado do Comitê Central do Partido; a general-de-brigada Delsa Esther Puebla (Teté), Heroína da República de Cuba e vice-presidenta da Associação de Combatentes da Revolução Cubana; Humberto Camilo Hernández, membro do bureau provincial do Partido em Havana; Arelys Santana Bello, segunda secretária da FMC, e Martha Hernández Romero, presidenta da Assembleia Provincial do Poder Popular.

Granma

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*