Home / Brasil / ONU destaca exemplo do Brasil no combate à violência contra mulheres
ONU destaca exemplo do Brasil no combate à violência contra mulheres

ONU destaca exemplo do Brasil no combate à violência contra mulheres

“Realmente, a Presidência do Brasil deu um exemplo de políticas públicas que são importantes não só para o Brasil, mas para o mundo todo”, disse a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, durante o lançamento das diretrizes nacionais para investigar, processar e julgar os feminicídios.

O Brasil tem sido exemplo para o mundo em políticas de combate à violência contra mulheres, aponta a representante no Brasil da ONU Mulheres, Nadine Gasman. Ao fazer essa avaliação, Nadine Gasman também disse que a presidenta Dilma Rousseff é um liderança importante na definição dessas ações.

“Realmente, a Presidência do Brasil deu um exemplo de políticas públicas que são importantes não só para o Brasil, mas para o mundo todo”, disse. As declarações de Nadine foram realizadas na sexta-feira (8), em Brasília (DF), durante o lançamento da “Diretrizes Nacionais para Investigar, Processar e Julgar com Perspectiva de Gênero as Mortes Violentas de Mulheres – Feminicídios”, elaboradas pelo governo brasileiro e pelas Nações Unidas.

“Nestas políticas e nestes exemplos que o Brasil tem dado, é importante falar do papel da presidenta Dilma Rousseff, que estabeleceu tolerância zero à violência machista e tem desempenhado esforços em promover a integração dos serviços humanizados às vitimas por meio do programa ‘Mulher, Viver sem Violência’”, acrescentoua representante da ONU Mulheres no país.

As novas diretrizes para investigar, apurar e julgar as mortes violentas de mulheres e classificação desses crimes especificamente como feminicídio vão orientar o trabalho de policiais, peritos, defensores, promotores, delegados e juízes na investigação do assassinato de mulheres.

As normas visam a assegurar a aplicação prática e efetiva da lei 13.104 de 2015, a lei do feminicídio.

As medidas para classificar, durante as investigações e o julgamento, o assassinato de mulheres como feminicídio entram em prática inicialmente no Piauí, Maranhão, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e no Distrito Federal.

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*