Home / América Latina / Frente Ampla do Uruguai repudia golpe contra presidenta Dilma
Frente Ampla do Uruguai repudia golpe contra presidenta Dilma

Frente Ampla do Uruguai repudia golpe contra presidenta Dilma

Coalizão, que reúne partidos e organizações de esquerda e governa o país, manifestou “total rejeição” à aprovação do processo contra a presidente na Câmara.

A FA (Frente Ampla) do Uruguai, coalizão que reúne partidos e organizações de esquerda e que governa o país desde 1994, manifestou na segunda-feira (18/04) sua “total rejeição” à aprovação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados no domingo (17/04), decisão classificada como “golpe de estado”.

“A Frente Ampla do Uruguai manifesta sua total rejeição frente ao processo de golpe de estado que está sendo gerado contra a presidente Dilma Rousseff, eleita por 54 milhões de brasileiros nas urnas”, afirma o secretariado executivo da Frente Ampla em nota.

Segundo a coalizão, “o instrumento de julgamento político (impeachment) sem fundamento jurídico que o sustente é, de fato, um golpe parlamentar”. O comunicado afirma que “não existe nenhuma acusação de ato de corrupção” contra Dilma “enquanto existem investigações concretas contra 50% dos que votaram a favor do julgamento político” mencionando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, “acusado de ter contas ilegais na Suíça vinculadas a propinas” e o vice-presidente da República, Michel Temer, que já teve seu nome citado na Operação Lava Jato.

O objetivo de setores da direita, segundo a coalizão uruguaia, é tirar Dilma da Presidência para “retomar o poder político e econômico para tirar o Brasil da liderança do processo de integração continental soberano e autônomo (Mercosul, Unasul, Celac) e dos chamados Brics, alinhando-o com as políticas econômicas dos grandes centros de poder”.

A Frente Ampla também manifesta solidariedade à Dilma e ao Partido dos Trabalhadores e diz “esta que arremetida continental da direita com golpes de estado de novo tipo” já teve seus efeitos com as destituições de Manuel Zelaya em Honduras, em 2009, e de Fernando Lugo no Paraguai, em 2013.

“Não duvidamos da necessidade de que os setores populares mantenham seu alerta em defesa da democracia e contra as tentativas desestabilizadoras que percorrem o continente”, acrescentou. No domingo a oposição brasileira reuniu os 342 votos necessários para encaminhar o processo contra Dilma ao Senado, que analisará o pedido de impeachment.

(Com Agência Efe e Opera Mundi)

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

1 Comentário

  1. é impossivel compartilhar

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*