Home / Brasil / Ombudsman critica Le Monde por omitir aspectos do golpe no Brasil
Ombudsman critica Le Monde por omitir aspectos do golpe no Brasil

Ombudsman critica Le Monde por omitir aspectos do golpe no Brasil

O articulista Franck Nouchi, que assina a coluna Médiateur do jornal francês Le Monde e que trata da relação entre os leitores e o periódico, semelhante ao posto de ombudsman mos jornais brasileiros, publicou neste sábado (23/04) um artigo em que analisa a cobertura que o periódico vem fazendo da crise política brasileira.

Para ele, o jornal errou, sim, na avaliação que fez da situação política brasileira, sobretudo no editorial “Brésil : ceci n’est pas un coup d’Etat” (Brasil: isto não é um golpe de Estado, em tradução livre), publicado no dia 31 de março de 2016.

Roberto Stuckert Filho/ PR

Presidente Dilma Rousseff defende que há um golpe em curso porque sem crime de responsabilidade não pode haver impeachment

O artigo de Nouchi começa se perguntando se o jornal “tratou de maneira equivocada a crise política que atravessa atualmente o Brasil” e diz que foram numerosos os leitores, franceses e brasileiros, que avaliaram que sim. “Ao mesmo tempo, é verdade, outros leitores, menos numerosos, avaliaram que nós defendemos cegamente as posições do Partido dos Trabalhadores”.

Em seguida, cita a correspondência de quatro leitoras brasileiras que vivem em Paris, Stella Bierrenbach, Simone Esmanhotto, Helena Romanach e Adriana Silva, que, numa carta bastante argumentada, questiona: “Le Monde tem razões para escolher a parcialidade ao abordar a crise política brasileira? Há algum motivo para o Le Monde escolher não questionar nem abordar outros ângulos e não ouvir as vozes em contraponto ao coral monocórdico da mídia brasileira?”.

Uma outra carta, aponta a misoginia, o desrespeito e o escárnio que jornal francês reproduz em seus textos em relação à presidente Dilma Rousseff e ao ex-mandatário Luiz Inácio Lula da Silva, enquanto não se questiona por que personalidades como “Caetano Veloso, Gilberto Gil,Leonardo Boff e Luiz Carlos Barreto se engajam na defesa da continuidade democrática”.

Um leitor parisiense, Christian Colas, felicita o Le Monde por ter lembrado que os políticos responsáveis pela tentativa de afastar Dilma “são acusados de malversações diversas e de fraudes fiscais bem piores do que as que são direcionadas à presidente”.

Nouchi diz que, após reler os artigos do jornal e discuti-los com a direção e com a correspondente em São Paulo, Claire Gatinois, concluiu que a manchete “Dilma Rousseff numa tormenta, o Brasil em crise” e o editorial do dia 19 de abril que a acompanha estão equilibrados. Porém, para ele, o editorial “Brasil: isto não é um golpe de Estado”, do dia 31/3, não é suficientemente equilibrado. Para ele, o editorial não lembra justamente que Eduardo Cunha e outras lideranças pró-impeachment estão implicadas em diversas acusações de corrupção e, além disso, o texto não registra suficientemente a falta de pluralidade da mídia brasileira.

O texto cita ainda um trecho do livro “Brasil – país do futuro” (1941), de Stefan Zweig, e conclui dizendo que o “país de adoção de Zweig, um autor muito lido na França, ainda não está livre do “fantasma de um retorno ao passado”.

Veja a íntegra (em francês):

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*