Home / Brasil / Dilma não se acovardou diante da multidão de covardes
Dilma não se acovardou diante da multidão de covardes

Dilma não se acovardou diante da multidão de covardes

Por Osvaldo Bertolino

Críticas sinceras e autocríticas honestas são imprescindíveis em qualquer avaliação que se preze. Isso é bem diferente do criticismo ligeiro, inconsistente e oportunista. A presidenta Dilma Rousseff cometeu erros — alguns graves —, mas o essencial da crise política passa longe das notórias e incontestáveis debilidades do seu governo.

Analisar as causas do golpe atual exige argúcia, considerações sobre múltiplos aspectos, métodos e estrita atenção aos fatos. O principal deles já pode ser apontado, mesmo sem a necessária distância que só o tempo pode proporcionar para uma ampla visão do cenário golpista que se formou lentamente, aos trancos e barrancos, até chegar aos mais abjetos procedimentos da direita brasileira, tão bem conhecidos por quem olha a história com certa atenção: são as mudanças de paradigmas estabelecidas de 2003 para cá.

Desde que Luiz Inácio Lula da Silva tomou posse na Presidência da República, há uma tensão magnetizando o país. As decisões do governo sempre tiveram boa audiência e produziram ótimas polêmicas. Suas posições políticas foram francas e geraram engajamento e paixões aos serem transmitidas de forma clara, sem clipes edulcorados e sem ambiguidades. Nesse ambiente democrático, é natural a existência de várias versões para os fatos e cada um conta a sua, de acordo com suas conveniências.

Tradição autoritária

Foi assim que surgiram os manifestos oposicionistas que seriam histriônicos como ficção, mas que se tornaram patéticos como análises da realidade. Ou seja: quanto mais as coisas mudam, mais a direita continua a mesma. Essa tradição autoritária sempre caminhou com o conluio entre o Estado e o poder econômico e com a negociata política típica da oligarquia brasileira, herança da nossa história marcada por um profundo abismo social e político entre ricos e pobres. Para essa ideia, trabalhadores e patrões, povo e elite, devem permanecer divididos em dois mundos político e econômico que mal se falam.

Um governo que enxerga largo e pensa grande, que estimula o país a trabalhar duro para forjar um projeto de nação, bate de frente com essa concepção. Aliás, essa diferença ficou claramente demonstrada nos debates das campanhas eleitorais de 2002, 2006, 2010 e 2014. Lula e Dilma defenderam a criação de empregos e renda, estímulos ao mercado interno, soberania nacional e ampliação da democracia, enquanto os direitistas José Serra, Geraldo Alckmin e Aécio Neves se limitaram a inventar dificuldades para vender falsas facilidades. Talvez tenha faltado a Dilma aquela sagacidade de Lula para mediar suas opiniões e intuições com o ponto de vista de outras pessoas.

Além de ouvir, o líder precisa dominar a arte de dizer as coisas certas na hora certa. Precisa ter a capacidade de convencer, de gerar consenso. Essa qualidade de Lula — que faltou a Dilma — foi importante para ele capitanear um movimento sócio-econômico de cores progressistas, baseado na democracia. Mas o motivo principal para que ela se tornasse alvo da sordidez golpista foi a atitude, como a de seu antecessor, de não se dirigir aos grandes daqui e de fora com voz súplice, como era comum no reinando de Fernando Henrique Cardoso (FHC). Um governo que não falava fino com Washington e grosso com a Bolívia e o Paraguai, como disse certa vez Chico Buarque Holanda.

Enredo da ópera

Também como Lula, Dilma soube compreender que, do ponto de vista progressista, a ideia-chave de um governo popular deve ser o crescimento econômico, a melhoria da renda dos trabalhadores e a redução da vulnerabilidade externa. A infeliz ideia do “ajuste fiscal” com Joaquim Lavy à frente do Ministério da Fazenda no início do seu segundo mandato não anula seus méritos; ao tomar medidas para enfrentar os efeitos da crise mundial ela evitou que a economia brasileira se embrenhasse em um mato do qual seria difícil sair. Quem disser que conseguia enxergar melhor saída para o país sem essas medidas está mentindo.

Todas essas coisas compõem o enredo da ópera, mas o elemento definidor da crise foi a entrada da mídia de forma desleal na campanha de Aécio Neves para presidente da República em 2014. A sujeira golpista que ela vinha acumulando desde que Lula assumiu o governo em 2003 foi despejada sobre a candidatura à reeleição de Dilma Rousseff, se aproveitando da manipulação exitosa das manifestações de 2013, detonadas com a insatisfação popular com a elevação das tarifas dos transportes públicos.

Desde então, o que se viu foi a generalização do ódio, da infâmia e dos golpes baixos. O país subiu mais alguns degraus na escada da intolerância social e do banditismo político, com rajadas de torpezas no lugar do que deveria ser apenas debate de ideias, e passou a ser regido pela lógica incivilizada do faroeste, do dolo golpista. E formou-se um campo governado pelos métodos da direita, baseados na mentira, na calúnia, na falsificação dos fatos, tendo como vértice a degenerada “Operação Lava Jato”, comandada pelo juiz Sérgio Moro.

Ética e legalidade

Uma grande parte dos votos a favor do golpe no Congresso Nacional veio dessa espécie de governo paralelo, fora da lei, que condicionou as realidades paroquiais às opções de deputados e senadores na hora do voto pela admissibilidade do impeachment. Diante da fúria da turba imbecilizada pela campanha golpista intensiva e extensiva da mídia, muitos parlamentares optaram por não arriscar suas carreiras no curto prazo mesmo sabendo que tomariam uma decisão injusta. São decisões compreensíveis se levarmos em conta o estágio da construção democrática brasileira.

Evidentemente, num país como o Brasil é difícil evoluir rapidamente para uma democracia que corresponda a acepção essencial do termo. Não é fácil construir avanços sociais numa economia historicamente dividida em feudos, que se traduz num sistema rapinesco no qual poucas leis fazem tanto sentido quanto a lei do mais forte. A exemplo das históricas grandes propriedades rurais, boa parte da economia brasileira foi entregue, ao longo do tempo — com mais intensidade na ditadura militar e na “era FHC” —, a grupos privados como lotes cercados de arame.

O Estado sempre decidiu quanto daquele lote ficaria nas mãos de um ou outro e o tamanho do lucro que ele teria. O restante da sociedade não tinha alternativa senão pagar o que lhe era exigido e resignar-se com o que recebia. Eventuais rebeldias contra essa ordem infame eram tratadas como caso de polícia e, não raro, com torturas e mortes. O mundo dos negócios brasileiro está repleto de amigos e filhos dos históricos donos do poder ocupando funções que em muitos casos são desempenhadas à margem da ética e da legalidade.

Mar de Lama

Seria ilusão achar que esses setores conservadores não teriam poder de arregimentação política para perpetrar mais um golpe de Estado. O enfrentamento com essas forças exigia um esforço amplo de todos os setores interessados em isolar e derrotar as vias do autoritarismo e do golpismo. Afora os aventureiros e inconsequentes, somente às forças direitistas, retrógradas, interessava numa deterioração do quadro político — que serviria de caldo de cultura para projetos obscurantistas e reacionários. Pode-se apontar mil motivos para o revés dessa premissa, mas o fato é que ela foi o determinante para o golpe.

A esta altura do campeonato, ninguém precisa de mais esclarecimentos sobre a conduta dos golpistas, sua capacidade de degenerar o próprio governo que tomaram à mão grande e a irresponsabilidade soberana com que vão tomar suas decisões. Em todo caso, é sempre útil manter em mente o potencial destrutivo que conservarão enquanto estiverem à frente da República. Não é pouca coisa.

O usurpador-mor, o vice-presidente Michel Temer, continuará se empenhando abertamente em transformar o serviço público num mercado indecente. Não é mais o que se poderia chamar de negociação política — virou tráfico, puro e simples. Em torno dessa delinquência generalizada, o fato mais relevante é a postura altiva e firme da presidenta Dilma, enfrentando e denunciando esse verdadeiro mar de lama que agora adentra o Palácio do Planalto.

Sobre outrolado

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*